Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.1/1155
Título: Qualidade de laranjas ‘Navelina’ e ‘Valencia late’ produzidas no modo de produção biológico, em comparação com a produção convencional
Autor: Reis, Duarte
Fernandes, M. M.
Marreiros, António
Mourão, Isabel
Duarte, Amílcar
Palavras-chave: Qualidade
Provas organolépticas
Análise qualitativa
Aroma
Sabor
Data: Set-2011
Editora: Associação Portuguesa de Horticultura
Citação: Reis, D.; Fernandes, M. M.; Marreiros, A.; Mourão, I. & Duarte, A. Qualidade de laranjas ‘Navelina’ e ‘Valencia late’ produzidas no modo de produção biológico, em comparação com a produção convencional. Actas Portuguesas de Horticultura, 17: 125-130, 2011.
Resumo: A citricultura no modo de produção biológico (MPB) pode constituir uma alternativa viável relativamente à diminuição do impacte desta actividade agrícola sobre o ambiente, melhorando simultaneamente a qualidade dos frutos. Neste trabalho, realizaram-se dois estudos comparativos com frutos das cultivares ‘Navelina’ e ‘Valencia late’ sujeitos a condições edafo-climáticas idênticas, mas com diferentes modos de produção. Para cada estudo foram colhidas amostras de frutos na maturação comercial, em pomares de citrinos situados em propriedades próximas, no MPB e no modo de produção convencional (MPC). A qualidade dos frutos foi determinada através de análises físico-químicas e de provas organolépticas. Foi determinada a cor e a espessura da casca, o teor de sólidos solúveis totais e a acidez do sumo. A avaliação organoléptica fez-se com um mínimo de 44 provadores para cada par de amostras e tomaram-se em consideração as características exteriores do fruto (aparência e cor), as interiores (aparência da polpa, textura, consistência e aroma) e as gustativas (sabor, acidez e doçura). Os resultados demonstraram que os frutos provenientes do MPB, apesar de terem uma casca mais fina, apresentaram uma menor qualidade, principalmente na cv. ‘Navelina’, j| que para a cv ‘Valencia late’, as laranjas biológicas apresentaram menor acidez e maiores índices de cor e de maturação, do que as do MPC. Na maior parte dos casos, os provadores atribuíram valores idênticos ou superiores aos frutos do MPC. Estes resultados indicam que, para que os frutos biológicos possam ter vantagens qualitativas sobre os frutos do MPC, não basta respeitar as regras básicas do modo de produção biológico, sendo essencial uma adequada condução dos pomares, nomeadamente na gestão da rega, fertilização, controlo de infestantes e controlo de pragas e doenças.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.1/1155
ISBN: 978-972-8936-09-9
Aparece nas colecções:FCT2-Artigos (em revistas ou actas indexadas)

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
2011-Qualidade de Navelina e Valencia late em MPB e MPC.pdf567,96 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.