Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.1/1454
Título: The wearing and shedding of enchanted shoes
Autor: Cardigos, Isabel
Data: 1999
Editora: Centro de Estudos Ataíde Oliveira
Resumo: O paradoxo inerente ao conceito de “sapato” – uma constrição que permite andar mais e mais depressa – reflecte-se de várias formas nos contos maravilhosos. Enquanto o segundo termo do paradoxo (instrumentos que facilitam o andar) se aplica sobretudo a protagonistas masculinos, o primeiro termo desdobra-se de muitas formas quando o sapato é duma personagem feminina. Partimos de versões portuguesas de O Noivo Animal (AT 425A) e Os Sapatos Estragados (AT 306), para daí considerar a função do sapato feminino, alargando-a a outros contos. Os sapatos femininos serão ícones de um estado de disjunção marital, por sua vez relacionado com um encantamento que só pode ser quebrado quando os sapatos estiverem ou estragados ou na posse do (futuro) marido. Usar os sapatos pode aparecer num registo eufórico ou disfórico; contudo, a imobilidade final da heroína (sem sapato ou sapatos) aparece sempre paradoxalmente relacionada com liberdade ou libertação – na maioria das vezes conducente a um estado de conjunção marital. Um conto literário de Andersen e a sua reformulação no filme Michael Powell e E. Pressburger, Os Sapatos Vermelhos, permitem confirmar e iluminar as conclusões a que a análise nos conduziu.
Peer review: no
URI: http://hdl.handle.net/10400.1/1454
Aparece nas colecções:ELO-N05

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
14Cardigos.PDF209,24 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.