Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.1/1738
Título: Avaliação das práticas de gestão de resíduos hospitalares, risco e percepção do risco associado - caso de estudo: Hospitais do Algarve
Autor: Ferreira, Vera
Orientador: Teixeira, Margarida Ribau
Palavras-chave: Resíduos hospitalares
Gestão
Riscos
Percepções
Profissionais de saúde e hospitais
Data de Defesa: 2009
Resumo: Nos últimos anos tem sido desenvolvido um esforço significativo para uma gestão adequada dos resíduos hospitalares, mas na ausência de clara compreensão dos riscos associados, muitas vezes, existem práticas de gestão inadequadas. O presente estudo teve como objectivos principais, analisar as práticas de gestão de resíduos hospitalares nos hospitais do Algarve, analisar as percepções de risco, verificar diferenças entre grupos de profissionais de saúde e entre hospitais, e avaliar e abordar o risco dos resíduos para a sua saúde e ambiente. Este estudo foi efectuado em três hospitais, um público e dois privados, que correspondem a 50% dos hospitais no Algarve. A principal metodologia utilizada foi a realização de visitas aos hospitais, observação directa, entrevistas e realização de questionários aos profissionais de saúde. A avaliação dos riscos foi baseada em dados reais de ferimentos com material cortante e perfurante (estimativa de infecções) e na análise da triagem inadequada dos resíduos, ou seja, frequência de respostas erradas evidenciadas nos questionários. Verificaram-se alguns problemas na gestão de resíduos em todos os hospitais resultantes da falta de formação e recursos. Os enfermeiros são o grupo de profissionais de saúde que mostra maior conhecimento na separação dos resíduos por grupos e os médicos menor conhecimento, com 71,6% e 64,8% de respostas correctas, respectivamente. Apenas 26% dos médicos participaram em acções de formação, sendo os mesmos que apresentam maiores dúvidas na triagem dos resíduos perigosos do Grupo IV e percepções de risco mais distorcidas relativamente ao estipulado na lei. Constata-se que a gestão dos resíduos hospitalares é influenciada pela percepção de risco e participação em acções de formação. A separação de medicamentos, citostáticos e peças anatómicas não identificáveis é a que sugere mais dúvidas, o que na realidade se pode reflectir numa maior percentagem destes resíduos encaminhados para tratamento e destino final inadequado, que tem impactes negativos na saúde e ambiente. Muitos ferimentos com material cortante e perfurante ocorrem na prestação de cuidados de saúde, mas existe um risco associado a resíduos hospitalares nomeadamente incidentes devido a erros na separação deste material e durante a sua deposição no contentor. Este risco deve ser eliminado ou minimizado através da gestão adequada dos resíduos.
Descrição: Dissertação de mest., Engenharia do Ambiente, Faculdade de Ciências e Tecnologia, Univ. do Algarve, 2009
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.1/1738
Aparece nas colecções:UA01-Teses

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Vera25026.pdf5,65 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.