Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.1/1746
Título: Automedicação versus indicação farmacêutica
Autor: Joaquim, Magali Rocha
Orientador: Ramalhinho, Isabel
Palavras-chave: Automedicação
Indicação farmacêutica
Farmácia
Medicamentos não sujeitos a receita médica
Data de Defesa: 2011
Resumo: A automedicação é um comportamento que faz parte da sociedade e é inevitável. Esta prática engloba os medicamentos não sujeitos a receita médica como também e cada vez mais os medicamentos sujeitos a receita médica. Nalguns casos, a automedicação pode ser desejável, contudo esta não está isenta de riscos. De facto, podem ocorrer diversos problemas derivados deste comportamento, relacionados com o uso irracional dos medicamentos. A automedicação atinge toda a população: adultos, idosos e crianças. Observou-se que a prevalência de automedicação na população adulta portuguesa se situou entre 21,5% e 31,6%. Relativamente aos idosos, alguns estudos mostraram uma prevalência entre 17,7% e 35,5%. Outros estudos evidenciaram uma prevalência de automedicação nas crianças elevada, entre 11,0% e 77,5%. Há que salientar também altas taxas de prevalência de automedicação com antibióticos. A educação para a saúde e a informação fornecida ao doente são acções que podem melhorar a prática da automedicação. A informação fornecida ao utente, que acima se refere, passa pela indicação farmacêutica. A indicação farmacêutica consiste, de facto, numa boa recolha de dados sobre o utente, numa base sólida de conhecimentos de farmacologia e numa adequada cedência do medicamento. O farmacêutico é então o profissional de saúde que apresenta melhores condições para aconselhar uma terapêutica farmacológica e também não farmacológica, devido à sua formação académica, participação em diversos programas submetendo-se ainda a avaliação, acreditação e certificação. O farmacêutico tem também a missão importante de promover a automedicação responsável, ou seja, a automedicação sob indicação farmacêutica promovendo assim o uso racional do medicamento.
Descrição: Dissertação de mest., Ciências Farmacêuticas, Faculdade de Ciências e Tecnologia, Univ. do Algarve, 2011
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.1/1746
Designação: Mestrado em Ciências Farmacêuticas
Aparece nas colecções:UA01-Teses

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Auto_versus_ind.farm__final.pdf1,34 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.