Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.1/1760
Título: Conhecimentos e atitudes face à infecção pelo VIH: a prática dos profissionais de saúde nos cuidados de saúde primários no Algarve
Autor: Vidinha, Maria de Fátima Marques
Orientador: Pacheco, José Eusébio Palma
Palavras-chave: Atitudes
Conhecimentos
Infecção pelo VIH
Profissionais de saúde
Data de Defesa: 2011
Resumo: Este estudo não tem a pretensão de descobrir falhas no sistema de saúde mas sim de dar o seu contributo para fortalecer a prática dos profissionais de saúde dos Cuidados de Saúde Primários do Algarve, face à infecção pelo VIH/sida, quer seja na prevenção, detecção precoce, acompanhamento do utente e conhecimento do próprio profissional de saúde. Neste sentido, foi realizada uma pesquisa de cariz exploratório e descritivo, que contou com a participação de 225 profissionais de saúde – médicos, enfermeiros, psicólogos e assistentes sociais – a exercer funções nos Cuidados de Saúde Primários no Algarve. Foram aplicados três questionários, um sócio-demográfico, um sobre conhecimentos e outro sobre atitudes face à infecção pelo VIH/sida. Após uma parte teórica, onde se apresentou o quadro em que a infecção VIH se encontra no mundo, na Europa, em Portugal e em particular no Algarve, foram elaboradas as hipóteses em estudo. Verificou-se que nenhuma das variáveis sócio-demográficas, como a idade, o género ou a categoria profissional, influenciaram os conhecimentos sobre a infecção VIH/sida, desta amostra. Os dados apontam para que o facto de ter frequentado acções de formação na área da infecção VIH/sida influencia positivamente as atitudes face ao VIH, dos profissionais de saúde. Quanto maior é o nível de conhecimentos em VIH menor são as atitudes negativas, ou seja, mais os profissionais de saúde têm atitudes positivas e adequadas face à Infecção pelo VIH. O género feminino, apresentou atitudes mais positivas face à infecção pelo VIH, assim como a categoria profissional de enfermeiros. Os enfermeiros apresentaram atitudes mais positivas comparativamente com os médicos. De salientar ainda, que a formação em VIH tem mais influencia nas atitudes se esta foi realizada nos últimos quatro anos. Os profissionais de saúde que realizaram formação na área do VIH nos últimos quatro anos, demonstraram atitudes mais positivas que os outros profissionais. Além da importância da prevenção e da detecção precoce na área da infecção pelo VIH/sida foi também realçada a necessidade de formação e treino dos profissionais de saúde nesta área. Os conhecimentos são uma base do trabalho médico e científico mas sem as atitudes e comportamentos adequados, de nada serve ter-se muitos conhecimentos.
Descrição: Dissertação de mest., Psicologia Clínica e da Saúde, Faculdade de Ciências Humanas e Sociais, Univ. do Algarve, 2011
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.1/1760
Designação: Mestrado em Psicologia Clínica e da Saúde
Aparece nas colecções:UA01-Teses

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
TESE MESTRADO.pdf1,97 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.