Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.1/1874
Título: Variabilidade do "upwelling" costeiro durante o holocénico nas margens atlânticas ocidental e meridional da Península Ibérica
Autor: Soares, António M. Monge
Orientador: Dias, João Manuel Alveirinho
Palavras-chave: Upwelling
Radiocarbono
Oceanografia
Data de Defesa: 2005
Resumo: O estudo levado a cabo permitiu, pela primeira vez, identificar os eventos de frio 5 e 4 de Bond e o de 0,8 ka cal BP de deMenocal nos teores em radiocarbono das conchas e confirmá-los como fenómenos à escala global (circum-atlântico norte). Esses eventos revelam-se por valores positivos muito elevados de ΔR e são precursores de reorganizações climáticas. Os dois primeiros, datados de 7810±90 BP e de 5640±100 BP, respectivamente, foram apenas detectados na série de valores de ΔR (e de 13) determinados para a costa portuguesa, uma vez que as séries para a costa andaluza e para a costa galega se iniciam em 4580±110 BP, a primeira, e em 2440±29 BP, a segunda. O evento de frio de 0,8 ka foi determinado quer para a costa portuguesa quer para a costa galega com datas estatisticamente idênticas – costa portuguesa: 870±90 BP; costa galega: 860±90 BP. Além dos picos de ΔR correspondentes a estes três eventos, dois outros picos foram obtidos: um, datado por volta de 4000 BP e um outro cerca de 1100 BP. O primeiro, detectado quer para a costa portuguesa quer para a orla oriental do Golfo de Cádiz, deverá ser a tradução de um “upwelling” costeiro muito intenso, uma vez que o 13C das conchas analisadas apresenta valores positivos ao contrário do que sucede com os outros picos. Além disso, entre 4000 e 3200 BP terá havido uma época de secura, com expansão de espécies termomediterrâneas no noroeste alentejano, enquanto que no sudeste e, possivelmente, também no sudoeste espanhol, o intervalo de 4500 e 4000 BP, corresponderá a uma época de aridez e, por conseguinte, a uma insolação intensa, que se traduziu no aparecimento e intensificação do fenómeno do “upwelling” costeiro, como os valores positivos de ΔR que acompanham o pico de ca. 4000 BP da série andaluza sugerem. Então os dois picos aparentemente síncronos não o serão, tendo lugar, entre eles, uma reorganização climática cujo mecanismo forçador terá sido o evento 3 de Bond. O outro pico, em 1140±45 BP, foi só detectado na costa portuguesa, possivelmente ligado à reorganização climática que originou o Pequeno Óptimo Climático e o seu valor não resultará de qualquer intensificação do “upwelling” nesse momento. A análise das séries de valores de ΔR em função do tempo, conjugada com outros indicadores paleoclimáticos e paleoceanográficos, permitem ainda as seguintes conclusões: i) Entre o evento 8 de Bond (ca. 11100 cal BP) e o final do Pré-Boreal (até ao evento 7, ca. 10300 cal BP) terá existido na costa portuguesa um regime de “upwelling” costeiro, cuja intensidade terá aumentado ao longo desse período. ii) Durante o Boreal, a que corresponde um clima frio, terá ocorrido entre o evento 6 (ca. 9,4 ka cal BP) e o 5 (ca. 8,2 ka cal BP) um “upwelling” costeiro pouco activo ou mesmo inexistente, como os valores negativos para ΔR indiciam. iii) Os intervalos de tempo entre os eventos 5 e 4 (ca. 5,9 ka cal BP) e entre este e o 3 (ca. 4,2 ka cal BP ou ca. 4000 BP) encontram-se muito mal amostrados, pelo que quaisquer inferências deverão ser posteriormente validadas com mais dados. No entanto, com a reorganização climática associada ao evento “8,2 ka”, assiste-se a uma modificação no padrão de povoamento mesolítico na faixa costeira portuguesa, provavelmente relacionada com uma melhoria do clima (um aquecimento climático), pelo que será expectável um “upwelling” costeiro activo, embora fraco, como os dois únicos valores de ΔR determinados para o primeiro intervalo também sugerem. Para o segundo intervalo, para a costa portuguesa, para um momento próximo do seu final (4530-4830 cal BP), foi obtido um valor de ΔR negativo, ao contrário do que se obteve para o Golfo de Cádiz, o que sugere condições climáticas diferentes entre a fachada atlântica ocidental da Península (diminuição da temperatura, menor insolação das massas continentais) e o sudoeste espanhol (aridez, maior insolação). De qualquer modo, após a reorganização climática que o evento 3 terá provocado, num momento muito próximo, não possível de distinguir com as datas de radiocarbono obtidas, ter-se-á verificado uma intensificação do “upwelling” na costa portuguesa, que se traduziu por um máximo na série de ΔRs, enquanto que, com essa reorganização climática, terminou o período de cerca de 500 anos de existência de um “upwelling” activo na costa andaluza do Golfo de Cádiz, para não mais esse fenómeno voltar a ocorrer de um modo activo naquela orla costeira. iv) O período entre 4000 e 3000 BP, a que corresponderá um clima mais quente e seco do que o anterior para a costa portuguesa, com expansão de taxa termomediterrâneos, deverá caracterizar-se por um “upwelling” costeiro intenso e, por conseguinte, por valores altos de ΔR. No entanto, a inexistência da determinação de qualquer valor de ΔR para este intervalo de tempo, quer para a costa portuguesa, quer para a costa andaluza do Golfo de Cádiz, quer para a costa ocidental galega, torna impossível corroborar as inferências anteriores. v) Pelo contrário, a partir de 3000 BP dispôe-se de uma boa amostragem para a costa portuguesa e razoável para os outros troços de costa investigados. Verifica-se que, na costa galega, ao contrário do que sucede para a costa portuguesa, os valores de ΔR são todos negativos até ca. 1000 cal AD, o que sugere um “upwelling” inexistente ou, quando muito, de fraca intensidade. O mesmo acontecerá para a costa andaluza, embora aqui essa situação ocorra muito provavelmente desde 4000 BP e se prolongue até à actualidade. Para a costa portuguesa, a partir de 3000 BP terá existido um “upwelling” activo, mas menos intenso que o actual, excepto durante o Pequeno Óptimo Climático, quando se terá aproximado dos valores modernos. Por seu lado, na costa galega, a partir do pico de ca. 1000 cal AD, isto é, a partir da reorganização climática desencadeada por esse evento, observa-se o aparecimento e intensificação do “upwelling” costeiro, embora dentro de uma certa variabilidade como os valores positivos e negativos determinados para ΔR sugerem. A grande variabilidade climática do Holocénico, com uma dimensão insuspeitada até à poucos anos atrás (por ex., os eventos de frio foram apenas identificados e estudados a partir dos meados dos anos noventa), tem, como este estudo demonstra, reflexos profundos na intensidade do “upwelling” costeiro nas margens atlânticas ocidental e meridional da Península Ibérica. Deverá sublinhar-se que esta dissertação constitui o estudo mais completo até hoje efectuado sobre o efeito de reservatório oceânico e que este é o “proxy” que proporciona o sinal mais directo sobre a actividade do “upwelling” costeiro.
Descrição: Tese de dout., Ciências do Mar, Faculdade de Ciências do Mar e do Ambiente, Univ. do Algarve, 2005
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.1/1874
Designação: Doutoramento em Ciências do Mar. Oceanografia
Aparece nas colecções:UA01-Teses

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
01-capa-tese.pdf10,17 MBAdobe PDFVer/Abrir
02-CAPA.doc25 kBMicrosoft WordVer/Abrir
03-ÍNDICE.doc131,5 kBMicrosoft WordVer/Abrir
04-CAPITULO I.doc16,51 MBMicrosoft WordVer/Abrir
05-CAPITULO II.doc9,08 MBMicrosoft WordVer/Abrir
06-CAPITULO III.doc9,03 MBMicrosoft WordVer/Abrir
07-CAPITULO IV.doc6,35 MBMicrosoft WordVer/Abrir
08-CAPITULO V.doc3,53 MBMicrosoft WordVer/Abrir
09-CAPITULO VI.doc279,5 kBMicrosoft WordVer/Abrir
10-BIBLIOGRAFIA.doc109 kBMicrosoft WordVer/Abrir
11-SEPCAPITULOS.doc29 kBMicrosoft WordVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.