Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.1/2109
Título: Evolução paleoambiental holocénica dos estuários dos rios Guadiana e Arade com base nas associações fósseis de foraminíferos bentónicos
Autor: Camacho, Sarita
Orientador: Boski, T.
Palavras-chave: Paleoambientes
Holocénico
Guadiana
Arade
Foraminíferos bentónicos
GIM
Transgressão marinha
Nível médio do mar
Data de Defesa: 2004
Resumo: A análise das variações no conteúdo em espécies de foraminíferos bentónicos ao longo de um testemunho de sondagem recolhido no Estuário do Rio Guadiana e de três testemunhos no Estuário do Rio Arade permitiram identificar cinco paleoambientes com diferentes GIM (Graus de Influência Marinha) que ocorreram ao longo do Holocénico. O GIM 1 foi atribuído às amostras indefinidas pela ausência de foraminíferos, traduzindo um ambiente terrestre sem qualquer influência marinha ou um ambiente de deposição não ideal à preservação post-mortem das carapaças. O ambiente sujeito a um GIM 2 foi denominado de intermareal superior e é colonizado exclusivamente por formas aglutinadas (Trochammina macrescens, Trochammina inflata, Trochammina spp., Ammobaculites sp., Eggerella sp.) e forros internos, indicando forte confinamento, típico de médio a alto sapal. O ambiente sujeito a um GIM 3 foi denominado de intermareal médio e é colonizado predominantemente por formas aglutinadas e/ou forros internos e carapaças carbonatas em elevado estado de dissolução, caracterizando um ambiente confinado, típico de médio a baixo sapal. O ambiente sujeito a um GIM 4 foi denominado de intermareal inferior é dominado (mais de 65% dos indivíduos) pela associação das espécies estuarinas Ammonia beccarii e Haynesina germanica associada a Elphidium spp. e aos miliolídeos, caracterizando um ambiente moderadamente confinado, abrangendo o baixo sapal e toda a planície lodosa exposta em baixa mar de marés vivas. O ambiente sujeito ao GIM 5 foi denominado de intermareal aberto e é definido pela associação das espécies estuarinas A. beccarii e H. germanica a formas de maior influência marinha, nomeadamente, os géneros Brizalina, Fissurina, Discorbis, Rosalina e Cibicides, verificando-se ainda um aumento no índice de Diversidade e no número de carapaças indeterminadas e pequenas. De acordo com as sequências paleoambientais, em todas as sondagens se reconheceu a existência de uma fase transitiva fluvio-marinha imediatamente antes de um episódio transgressivo. No estuário do Guadiana, entre um episódio pré-holocénico e o auge de transgressão marinha, foi possível identificar uma sequência paleoambiental de pré-invasão marinha, caracterizada por uma substituição de dominância de espécies de sapal por espécies de baixo sapal e de estuário. No estuário do Arade, os primeiros vestígios de influência marinha coincidem com o período de maior oceanidade, sugerindo a concomitância deste fenómeno com o início da formação do estuário. A inexistência de registo de uma fase de pré-invasão marinha na base dos testemunhos sedimentares deste sistema estuarino sugere que a invasão marinha ocorreu de forma mais abrupta e menos premonitória que no caso do estuário do Guadiana. Em todas a sondagens reconhece-se um abrandamento na incursão marinha logo após o auge transgressivo. A ocorrência de um ambiente de sapal em todos os biohorizontes mais recentes das quatro sondagens sugere um recente equilíbrio entre as taxas de acreção e as taxas actuais de subida do Nível Médio do Mar.
Descrição: Dissertação de mest., Estudos Marinhos e Costeiros, Faculdade de Ciências do Mar e do Ambiente, Univ. do Algarve, 2004
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.1/2109
Designação: Mestrado em Estudos Marinhos e Costeiros,
Aparece nas colecções:UA01-Teses

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Mestrado Camacho S..pdf3,36 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.