Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.1/2649
Título: Stresse e burnout nos profissionais de emergência médica pré-hospitalar
Autor: Amaro, Hugo João Fernandes
Orientador: Jesus, Saul Neves de
Palavras-chave: Emergência médica pré-hospitalar
Stresse
Burnout
Coping
Resiliência
Suporte social
Data de Defesa: 2010
Resumo: Os profissionais de emergência médica pré-hospitalar estão diariamente sujeitos a diferentes tipos de factores stressantes. Cientes desta realidade surge esta investigação que possui como principal objectivo estudar o stresse e o burnout nos profissionais de emergência médica pré-hospitalar. Foi delineada uma pesquisa tendo por base uma metodologia de triangulação, constituída por dois momentos de pesquisa, em que no primeiro momento foi efectuado um estudo do tipo exploratório e descritivo baseado numa metodologia do tipo quantitativa, procurandose a influência de algumas variáveis psicológicas mediadoras na vulnerabilidade ao stresse e no burnout, tendo sido utilizada uma amostra constituída por 161 profissionais de emergência médica pré-hospitalar. O segundo momento de pesquisa pretendeu identificar as competências e as estratégias utilizadas para lidar com o stresse e com o burnout em doze sujeitos de estudo que apresentavam menor ou maior vulnerabilidade ao stresse previamente seleccionados, tendo sido efectuadas entrevistas semi-estruturadas, numa metodologia qualitativa. Os resultados encontrados permitem verificar que, de uma forma geral, os sujeitos de estudo não se apresentam vulneráveis ao stresse apresentando valores médios inferiores a 43, assim como apresentam valores baixos a nível do burnout. Através de equações estruturais, foi desenvolvido um modelo depurado que demonstra uma associação negativa entre a satisfação com as actividades sociais, as competências e habilidades pessoais e sociais (I am/I can) e a vulnerabilidade ao stresse e, uma associação positiva entre a vulnerabilidade ao stresse e a satisfação com a família e o escape. Os sujeitos de estudo que não praticam exercício fisico apresentam maior vulnerabilidade ao stresse, assim como os que não possuem duplo emprego, enquanto aqueles que não possuem alterações do sono possuem menor vulnerabilidade ao stresse. A vulnerabilidade ao stresse associa-se positivamente com a exaustão emocional e serve de mediadora a algumas variáveis protectoras. A maioria dos sujeitos considera as competências para lidar com o stresse como fundamentais, valorizando os conhecimentos técnico-científicos adequados, referindo também que as competências desaparecem com o tempo. Referem que as estratégias que possuem para lidar com o stresse são adequadas e que os programas de gestão de stresse devidamente adaptados à sua realidade são importantes.
Descrição: Tese de dout., Psicologia, Faculdade de Ciências Humanas e Sociais, Univ. do Algarve, 2010
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.1/2649
Designação: Doutoramento em Psicologia. Psicologia da Saúde
Aparece nas colecções:UA01-Teses

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Folha rosto.pdf14,88 kBAdobe PDFVer/Abrir
Redacção tese doutoramento.pdf12,13 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.