Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.1/3139
Título: O papel da farmacogenómica na terapêutica com tamoxifeno
Autor: Marianito, Sofia Isabel Granadeiro
Orientador: Ribeiro, Vera
Palavras-chave: Carcinoma da mama
Tamoxifeno
Variabilidade genética
Inibidores do CYP2D6
Testes de genotipagem
Data de Defesa: 2012
Resumo: Entre as doenças oncológicas, o carcinoma da mama apresenta uma elevada percentagem de diagnóstico entre as mulheres, em todo o mundo. Em 2008, cerca de 1,38 milhões de novos casos de carcinoma da mama foram diagnosticados. As taxas de incidência desta patologia são mais elevadas na Europa Ocidental e menores na África Central e Oriental [1]. O carcinoma da mama é bastante complexo e multifatorial, o que leva a uma variação significativa na terapêutica escolhida, no tempo de recorrência (TTBR), na sobrevida sem doença (DFS), na sobrevida sem recidivas (RFS) e na sobrevivência global (OS) do doente [2]. O tamoxifeno continua a ser um fármaco importante no tratamento e prevenção do carcinoma da mama dependente de regulação hormonal, pelo facto de ser um Modelador Seletivo dos Recetores de Estrogénio (MSRE) [3,4]. A sua eficácia depende da ativação metabólica deste pró-fármaco, predominantemente via citocromo P450 2D6, nos metabolitos ativos endoxifeno e 4-hidroxitamoxifeno [3,5]. A atividade do CYP2D6 pode ser reduzida em função da presença de variantes genéticas ou de fármacos inibidores do enzima, o que leva a uma diminuição significativa dos níveis plasmáticos dos metabolitos ativos [3,5]. As interações medicamentosas são um dos principais problemas da terapêutica com tamoxifeno, nomeadamente, em situações onde são coadministrados inibidores do CYP2D6, como é o caso dos ISRSs muito usados em doentes com carcinoma da mama [4,5]. A implementação da terapêutica individualizada é difícil, pelo facto de existir variabilidade interindividual na eficácia e na toxicidade do fármaco. O tamoxifeno tem vários efeitos adversos, que incluem eventos vasculares trombóticos e risco de carcinoma do endométrio [4]. A realização de testes de genotipagem prévios ao tratamento é importante para rastrear os doentes que não apresentarão resposta efetiva ao fármaco, tendo, assim, uma menor probabilidade de sobrevivência [6].
Descrição: Dissertação de mest., Ciências Farmacêuticas, Faculdade de Ciências e Tecnologia, Univ. do Algarve, 2012
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.1/3139
Designação: Mestrado Integrado em Ciências Farmacêuticas
Aparece nas colecções:UA01-Teses

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Trab_Final.pdf1,24 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.