Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.1/3143
Título: Tolerância à amónia e grau de ureotelia no xarroco, Halobatrachus didactylus (Bloch & Schneider, 1801)
Autor: Jordão, Vera Leal de Almeida Pereira
Orientador: Modesto, Teresa
Palavras-chave: Tese mestrado
Biologia marinha
Peixes
Urotelia
Halobatrachus didactylus
Toxicidade de amónia
Ureia
Sintetase da glutamina
Sintetase do carbamil fosfato
Transportador de ureia
Data de Defesa: 2008
Resumo: A amónia é o principal produto de excreção do metabolismo de nitrogénio, sendo a maioria dos peixes teleósteos pouco tolerantes a ambientes com elevadas concentrações de amónia. No entanto, alguns peixes apresentam uma elevada tolerância à amónia ambiental, como é o caso da maioria das espécies pertencente à família Batrachoididae. Este estudo teve como principal objectivo, verificar qual o nível de tolerância à amónia e o respectivo grau de ureotelia em Halobatrachus didactylus. Para talos animais foram expostos a concentrações crescentes de amónia ambiental. Foram determinadas taxas de sobrevivência em função do tempo de exposição e calculou-se a concentração letal (Leso) de amónia para esta espécie, que se situa em 3.28 mM. Foram também determinados os valores de amónia, ureia e cortisol plasmático, de modo a verificar o efeito da amónia sobre a fisiologia do peixe. Os resultados obtidos neste estudo revelaram que H.didactylus apresenta alguma tolerância à amónia ambiental, no entanto mais baixa do que em outras espécies da mesma família e que os valores plasmáticos de compostos azotados, assim como a excreção parecem ser, pelo menos parcialmente, dependentes da amónia ambiental. Uma vez que não houve um padrão uniforme de excreção ao longo do tempo nesta espécie, podemos dizer que existe um certo grau de ureotelia facultativa. Observou-se também que, tal como noutros membros da família, a excreção de ureia pode ocorrer por pulsos em que grande quantidade de ureia é libertada para o meio, intercalados por períodos em que a excreção é baixa ou mesmo nula. Os resultados revelaram ainda que o fígado parece ser o principal órgão onde o ciclo da ureia está maioritariamente activo, uma vez que é neste órgão que ocorre uma maior expressão das enzimas envolvidas no ciclo da ureia e que esta é afectada pelos níveis de amónia no meio. As enzimas do ciclo da ureia, tal como o transportador de ureia, apresentam grande conservação, não só entre H. didactylus e Opsanus beta, um dos membros mais próximos da família Batrachoidldae, mas também entre a maioria dos teleósteos e outros vertebrados confirmando a grande importância e provável manutenção da função destas proteínas.
Descrição: Tese mest., Biologia Marinha, Universidade do Algarve, Faculdade de Ciências do Mar e do Ambiente, 2008
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.1/3143
Designação: Mestrado em Biologia Marinha
Aparece nas colecções:UA01-Teses

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
TESE MESTRADO VERA JORDAO 25011.pdf1,46 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.