Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.1/3372
Título: Ecologia do recrutamento de pequenos pelágicos: capacidades natatórias e condição nutricional de larvas de sardinha (Sardina pilchardus,Walbaum 1792)
Autor: Silva, Luís Miguel Ribeiro da
Orientador: Chícharo, Alexandra
Garrido, S.
Faria, Ana Margarida da Silva
Data de Defesa: 2012
Resumo: As capacidades de natação das larvas de pequenos pelágicos e a sua influência na sobrevivência e dispersão estão pouco estudadas. Pela primeira vez, descreveram-se as capacidades natatórias de larvas de Sardina pilchardus (Walbaum 1792), em condições controladas em laboratório desde a eclosão até ao 75º dia pós-eclosão (dpe). Comparou-se a capacidade natatória (velocidade crítica de natação (Ucrit) e comportamento) e a condição nutricional (índice RNA/DNA) de larvas cultivadas com 4 diferentes regimes alimentares. À eclosão, as larvas concentraram-se à superfície e após o 2º dpe começaram a dispersar pela coluna de água. As larvas recém-eclodidas passaram a maior parte do tempo inativas, tendo o tempo dispendido a nadar aumentado com a idade, estabilizando ao 30º dpe, sendo dispendendido a totalidade do tempo a nadar. Ao 15º dpe as larvas começaram a resistir a correntes de 1,5 cm s-1 por períodos curtos de tempo. A Ucrit aumentou significativamente ao longo da ontogenia, atingindo um máximo de 9,47 cm s-1 numa larva com 19,1 mm de comprimento total e 55 dpe. Não foram detetadas diferenças significativas das capacidades natatórias entre larvas cultivadas nas diferentes dietas para as idades comuns a todas as dietas. O número de ataques a presas e sequências completas de predação (desde a fixação ao ataque) aumentaram com a idade; ao 25º dpe o número de ataques foi inferior a 2 ataques min-1 e ao 60º dpe observaram-se em média 4 (±0,8) ataques min-1. O crescimento larvar nas dietas de maior concentração (0,327 mm d-1.) e concentração intermédia (0,487 mm d-1) não teve diferenças siginificativas e foi significativamente superior às dietas de menor concentração e plâncton natural que foram semelhantes entre si. A condição larvar foi pouco variável durante a ontogenia, sem diferenças significativas entre as diferentes dietas. Da mesma forma, a relação entre as capacidades natatórias e a condição nutricional das larvas não foi significativa. As conclusões deste trabalho sugerem que numa fase inicial do desenvolvimento as larvas não são capazes de evitar a predação e controlar a dispersão, uma vez que têm reduzidas capacidades natatórias. No entanto, a partir do 45º dpe, as larvas são capazes de resistir às velocidades médias das correntes naturais, o que deverá ter consequencias importantes para a sua sobrevivência.
Descrição: Dissertação de mest., Biologia Marinha (Ecologia e Conservação), Faculdade de Ciências e Tecnologia, Univ. do Algarve, 2012
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.1/3372
Designação: Mestrado em Biologia Marinha. Ecologia e Conservação
Aparece nas colecções:UA01-Teses

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Tese.pdf1,13 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.