Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.1/3531
Título: Tenho a noite e o dia e não tenho nada: o rendimento social de inserção e os beneficiários ciganos: o caso do concelho de Faro
Autor: Santos, Sofia Aurora
Orientador: Marques, João Filipe
Palavras-chave: Educação social
Pobreza
Exclusão social
Política social
Rendimento mínimo
Ciganos
Data de Defesa: 2013
Resumo: Este trabalho constitui uma análise do modo como o Rendimento Social de Inserção (RSI) é percecionado pelos atores sociais ciganos. Constitui, assim, o resultado de um estudo etnográfico que envolveu beneficiários e técnicos sociais do concelho de Faro e teve como duplo objetivo conhecer a experiência da atribuição do RSI e perceber como é vivida a situação de subsidiariedade junto dos beneficiários ciganos, bem como o modo como estes vivem o princípio da Solidariedade Social. Pretendeu-se também conhecer como é entendida a atribuição do subsídio por parte dos técnicos, bem como analisar as reais possibilidades de inserção e saída do universo da pobreza da população alvo. O Rendimento Social de Inserção (RSI) constitui uma prestação pecuniária mensal às famílias e indivíduos que vivam em situação de grave carência económica e que façam prova de determinadas condições de atribuição. Cabe aos beneficiários o cumprimento de um Programa de Inserção Social pré-estabelecido e que tem como objetivo romper o «ciclo vicioso da pobreza». Os ciganos são uma categoria particularmente exposta a situações de pobreza e exclusão social e são constantemente acusados de «abusarem» dos subsídios sociais do Estado. Perante este cenário, uma grande parte da sociedade manifesta uma certa hostilidade relativamente a este grupo étnico, que resulta, em grande medida, dos ancestrais preconceitos de que são vítimas mas também de uma insatisfatória aplicação das políticas sociais. Com a investigação que deu origem a esta dissertação revelaram-se algumas vivências dos beneficiários ciganos do Concelho de Faro em relação ao RSI. O contacto direto com os atores sociais contribuiu para se perceber como estes percecionam o apoio que lhes é atribuído pelo Estado, ao mesmo tempo que permitiu “dar” voz àqueles que com demasiada frequência são criticados e mesmo excluídos pela maioria. O trabalho de terreno permitiu observar e vivenciar as dinâmicas e os problemas de muitos ciganos habitantes do concelho de Faro. Os ciganos são um grupo étnico que ainda permanece desconhecido para muitas pessoas, incluindo para os técnicos que trabalham com eles. O trabalho etnográfico permitiu interagir com este grupo por forma compreender a sua realidade, recolher testemunhos na primeira pessoa e, de certo modo, desenvolver a capacidade crítica dos próprios informadores.
Descrição: Dissertação de mest., Educação Social, Escola Superior de Educação e Comunicação, Univ. do Algarve, 2013
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.1/3531
Designação: Mestrado em Educação Social
Aparece nas colecções:UA01-Teses

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Dissertação_Mestrado_Sofia Santos.pdf1,12 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.