Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.1/3560
Título: Vinculação aos pais, psicopatologia e perceção de competências parentais em mães de crianças utentes da consulta de Psicologia
Autor: Pinto, Ana Sofia
Orientador: Lemos, Ida
Palavras-chave: Psicologia clínica
Psicologia da saúde
Relação entre pais e filhos
Vinculação
Psicopatologia
Data de Defesa: 2013
Resumo: O presente estudo tem como objetivos principais: estudar a relação existente entre os sintomas psicopatológicos e o estilo de vinculação às figuras parentais no passado; estudar a relação existente entre a psicopatologia as competências parentais percebidas pelas mães; estudar a relação entre o estilo de vinculação materna atual e as competências parentais percebidas enquanto mãe. Para avaliação das variáveis utilizaram-se as seguintes escalas: Questionário de Dados Sociodemográficos; BSI – Inventário de Sintomas Psicológicos; PSOC – Escala de Percepção de Competência Parental; EVA – Escala de Vinculação do Adulto; EMBU – Escala sobre Lembranças de Práticas Parentais. De acordo com os objetivos da investigação e de acordo com os resultados obtidos, não encontrámos associações significativas entre a presença de sintomas psicopatológicos e as memórias de infância (BSI e EMBU). Relativamente ao segundo objetivo, também não se encontraram relações significativas entre as escalas PSOC e BSI. Por último, atendendo ao terceiro objetivo, verifica-se a existência de uma relação significativa entre a eficácia e o estilo seguro, podendo concluir-se que as mães com um estilo seguro desenvolvem as suas competências de mãe pautadas pela promoção de conforto e segurança nas situações adversas ao filho, sentindo-se competentes nas tarefas parentais. No âmbito das relações afetivas durante a infância, nomeadamente a qualidade dos vínculos iniciais e nas competências parentais, ambas estão diretamente relacionadas com a qualidade dos relacionamentos na idade adulta, ou seja o estilo de vinculação a adoptar em adulto depende do estilo de vinculação na infância, pois as relações afetivas na infância servem como modelos para as relações afetivas em fases posteriores do ciclo da vida (Canavarro, 1999).
Descrição: Dissertação de mest., Psicologia Clínica e da Saúde, Faculdade de Ciências Humanas e Sociais, Univ. do Algarve, 2012
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.1/3560
Designação: Mestrado em Psicologia Clínica e da Saúde
Aparece nas colecções:UA01-Teses

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Tese Ana Pinto.pdf1,1 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.