Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.1/367
Título: Resiliência nos jovens: relações familiares e auto-conceito de competência
Autor: Silva, Hélia Maria Alves da
Orientador: Martins, Maria Helena
Palavras-chave: Teses
Adolescentes
Família
Resiliência
Relações familiares
Data de Defesa: 2009
Resumo: Motivados por estudos que investigam o desenvolvimento e promoção da Resiliência em jovens em idade escolar, pretendemos neste estudo analisar a Resiliência no percurso de vida dos jovens em diferentes contextos (familiar, escolar, comunidade e grupo de pares). Procurou-se ainda estudar a influência das relações familiares e do auto-conceito de competência no desenvolvimento dos traços de Resiliência destes jovens. Para esse fim recorremos a um estudo por inquérito (questionário), através de três escalas: Escala de Resiliência – Healthy Kids Resilience Assessment Module (Constantine, Bernard, & Diaz, 1999; adaptado para a população portuguesa por Martins, 2002); Escala de Avaliação do Auto-conceito de Competência (Faria, & Santos, 1999) e a Escala de Percepção de Relação com a Família (Peixoto, 1999). A amostra consistiu em 152 participantes com idades compreendidas entre os 14 e os 19 anos, de ambos os sexos, distribuídos por turmas de ensino regular (ER) e turmas de cursos de educação e formação (CEF). Após a recolha e tratamento dos dados procedemos à análise dos resultados através de estatísticas descritivas dos factores das três escalas, comparação de valores médios e regressões múltiplas lineares em função de três critérios: sexo, tipo de ensino e existência ou não de reprovação de ano lectivo. Verificámos que os factores de Resiliência são sensíveis e influenciados por características que se prendem com as relações interpessoais e afectivas que os jovens estabelecem com adultos em casa, na escola e na comunidade e com os seus grupos de pares. Particularmente, verificou-se por um lado que as expectativas dos adultos face aos jovens influenciam a Resiliência e a participação destes nas actividades da comunidade. Por outro lado, as relações afectivas dos jovens com os seus grupos de pares destacam-se como factor igualmente importante para o desenvolvimento dos traços resilientes. Especificamente, observámos diferenças nas características da Resiliência dos jovens em função do sexo, tipo de ensino e existência ou não de reprovações. Neste sentido, os sujeitos do sexo feminino revelam-se mais resilientes que os do sexo masculino. Verificámos igualmente que os sujeitos do ensino regular apresentam traços resilientes mais definidos que os alunos integrados em cursos de educação e formação. Por fim, pudemos constatar que um percurso académico sem reprovações escolares contribui para o x desenvolvimento da Resiliência nos jovens estudantes. Em termos de percepção dos jovens da relação com a família, os nossos resultados sugerem que os jovens acreditam que os seus familiares reconhecem e aceitam as suas competências pessoais, sociais e académicas e sentem-se incentivados para a maturação e implementação dessas competências no seu percurso de vida. Todavia os jovens não se auto-percepcionam como indivíduos suficientemente autónomos para assumir exclusiva responsabilidade dos seus percursos de vida, no sentido de possuírem suficientes competências para se confrontar com as mais diversas situações problemáticas.
Descrição: Dissertação mest., Psicologia da Educação, Universidade do Algarve, 2009
URI: http://hdl.handle.net/10400.1/367
Designação: Mestrado no Ramo da Psicologia da Educação. Especialidade em Necessidades Educativas Especiais
Aparece nas colecções:FCH1-Teses
UA01-Teses

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Capa.pdf57 kBAdobe PDFVer/Abrir
Corpo da tese.pdf981,96 kBAdobe PDFVer/Abrir
Indice.pdf96,53 kBAdobe PDFVer/Abrir
Separadores.pdf144,1 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.