Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.1/5357
Título: Por que não criamos jardins infantis? Análise de discursos sobre a institucionalização da educação de infância em Portugal (1880-1950)
Autor: Vilhena, Carla Cardoso
Palavras-chave: Institucionalização
Educação de infância
Data: 2013
Editora: Instituto Politécnico de Portalegre
Citação: Vilhena, Carla. Por que não criamos jardins infantis? Análise de discursos sobre a institucionalização da educação de infância em Portugal (1880-1950), In Educação e Formação de Professores: História(s) e Memória(s), 13-26, Portalegre: Instituto Politécnico de Portalegre, 2013.
Resumo: Pretende-se, através deste trabalho, contribuir para a compreensão do processo de institucionalização da educação de infância em Portugal. A análise de discursos acerca desta temática, a partir de um conjunto de artigos (n=108) publicados na imprensa pedagógica portuguesa, entre 1880 e 1950, permitiu compreender que a importância atribuída aos primeiros anos, enquanto idade fundadora da vida, tem como consequência uma maior preocupação com a forma como as crianças são educadas. Salientando quer os benefícios individuais, quer enquanto idade fundadora da vida, tem como consequência uma maior preocupação com a forma como as crianças são educadas. Salientando quer os benefícios individuais, quer coletivos, da frequência das instituições de infância, os autores que escrevem nas revistas analisadas atribuem-lhes um conjunto diversificado de funções, que podem ser agrupadas em dois grandes grupos: (1) as funções sociais, que se traduzem na preocupação com a disciplinarização e moralização, quer das crianças que as frequentam, quer da sua família; e (2) as funções educativas, visíveis na preocupação com o desenvolvimento físico e intelectual da criança, assim como na utilização de modelos pedagógicos concebidos especialmente para as crianças em idade pré-escolar. Verificou-se, ainda, que a atribuição de funções predominantemente educativas às instituições de educação de infância contribui para a sua aceitação por um público mais vasto, designadamente pelas famílias pertencentes a classes mais favorecidas.
Peer review: no
URI: http://hdl.handle.net/10400.1/5357
ISBN: 978-989-96701-9-8
Aparece nas colecções:FCH3-Livros (ou partes, com ou sem arbitragem científica)

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Por que não criamos jardins infantiSCARLAVILHENA.pdf238,95 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.