Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.1/6028
Título: Resiliência e deficiência mental: (re) construindo um significado para a vida
Autor: Teixeira, Ana Patrícia Laureano Vilela
Orientador: Martins, Maria Helena
Palavras-chave: Psicologia da educação
Deficiência inteletual
Resiliência
Esperança
Suporte social
Data de Defesa: 2013
Resumo: Tendo em consideração que é possível promover a resiliência nos indivíduos portadores de deficiência intelectual, apesar de toda a adversidade e vulnerabilidade associadas à sua condição, torna-se necessário o conhecimento dos mecanismos que se traduzem em processos adaptativos. Um conhecimento e compreensão dos fatores de proteção inerentes aos contextos em que o indivíduo se insere é um fundamental no sentido de promover a resiliência. Neste trabalho procuramos analisar a resiliência, a esperança e o suporte social em indivíduos portadores de deficiência intelectual ligeira. Participaram 38 indivíduos portadores de deficiência intelectual a frequentarem a Unidade de Prestação de Serviços de uma CERCI de Portugal. Este é um estudo transversal, com um plano descritivo-correlacional. Para a avaliação das variáveis em estudo utilizámos um questionário sociodemográfico construído para o efeito, o Inventário MSR – Measuring State Resilience e Measuring Child Resilience (adaptado por Martins,2005), a Escala de Esperança – Snyder Hope Scale (1991) e ainda a Escala de Satisfação com o Suporte Social (Ribeiro, 1999). Os dados obtidos permitiram constatar que, apesar das vulnerabilidades inerentes à deficiência, estes apresentam características de resiliência, que se vêm desenvolvendo desde a infância. Foi também possível averiguar que os estes indivíduos apresentam uma esperança moderada, indicando-nos que esta funciona como um importante fator de proteção. Relativamente ao suporte social fornecido pela família este é o mais valorizado, ao passo que o suporte fornecido pelas atividades sociais é o que menos os satisfaz. Assinale-se ainda que os resultados obtidos sugerem que a esperança está fortemente relacionada com a resiliência, constituindo um valioso fator de proteção interno nesta população. Já a família e as relações de intimidade, no que toca ao suporte social, funcionam como importantes fatores de proteção externos Curiosamente a esperança apresenta-se como um importante fator protetor, comparativamente ao suporte social.
URI: http://hdl.handle.net/10400.1/6028
Designação: Mestrado em Psicologia da Educação
Aparece nas colecções:UA01-Teses

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
DISSERTAÇÃO.ANATEIXEIRA.pdf1,75 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.