Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.1/658
Título: Perfil de ácidos gordos de larvas recém eclodidas produzidas em cativeiro de camarões marinhos ornamentais candidatos a aquacultura
Autor: Santos, Ana Raquel Rocha da Silva
Orientador: Dinis, Maria Teresa
Reis, Alberto
Silva, Teresa Lopes da
Palavras-chave: Camarões marinhos ornamentais
Habitat
Ácidos gordos
Larvas
Data de Defesa: 2009
Resumo: A aquariofilia de água salgada é uma actividade comercial em crescimento, na qual 90% dos organismos ornamentais transaccionados são capturados no meio selvagem. Para diminuir a pressão exercida sobre os ecossistemas naturais, têm vindo a ser desenvolvidas metodologias de cultivo para as espécies mais comerciais. O perfil de ácidos gordos (FA) de larvas recém eclodidas de camarões ornamentais de três espécies tropicais, Lysmata amboinensis, Lysmata. debelius e Rhynchocinetes durbanensis, e duas espécies temperadas, Lysmata boggessi e Lysmata seticaudata foi analisado neste trabalho, cujo objectivo foi avaliar 1) se as larvas reflectem a dieta fornecida aos reprodutores, 2) se espécies pertencentes ao mesmo género direccionam a dieta, particularmente os ácidos gordos, do mesmo modo e, 3) qual o factor que deve ter um papel mais importante na obtenção de uma ração com os requisitos necessários, se a filogenia ou o habitat. Os resultados mostraram que o perfil de ácidos gordos foi semelhante nas cinco espécies. Em termos quantitativos, as larvas de L. seticaudata apresentaram a maior porção de ácidos gordos altamente insaturados (68%), devido à dominância de 20:5n-3, e a segunda percentagem mais baixa de poliinsaturados (5%). As larvas de L. boggessi e L. debelius apresentavam uma predominância de saturados (33% e 38%, respectivamente) e de monoinsaturados (33% e 30%, respectivamente) em relação ao total de ácidos gordos, com L. boggessi a obter as quantidades mais elevadas para todas as espécies (4,79 ± 0,04 μg mg -1 para saturados e 4,81 ± 0.53 μg mg -1 para monoinsaturados), com predominância de 16:0 (3,34 ± 0,09 μg mg-1) e 18:1n-9 (2,78 ± 0,40 μg mg-1). Para Rhynchocinetes durbanensis o ácido gordo mais importante foi o DHA, com 2,36 μg mg-1, a quantidade mais elevada em todas as espécies. Relativamente ao ARA todas as espécies mostraram uma quantidade maior do que aquela fornecida na dieta, com a maioria a ser obtida para Rhynchocinetes durbanensis. Nas espécies temperadas observaram-se quase sempre maiores quantidades de ácidos gordos do que nas espécies tropicais, podendo aferir-se que as larvas recém eclodidas das espécies temperadas dependem mais de fontes energéticas endógenas após a eclosão. As espécies tropicais mostraram quantidades de ácidos gordos semelhantes, o que pode dever-se a um metabolismo também semelhante. No caso das espécies temperadas os FA com diferenças significativas são em maior número, mas encontra-se v algum paralelismo nas quantidades. Assim, na possível concepção de uma dieta única, o habitat parece ter maior relevância do que a proximidade filogenética.
The marine aquarium industry is expanding, with 90% of the species being captured from coral reefs. In order to reduce pressure on these natural ecosystems, have been developed methods of production to the more commercial species. In the present work, the fatty acid (FA) profile of newly hatch larvae of ornamental shrimps from three tropical species, Lysmata amboinensis, Lysmata debelius e Rhynchocinetes durbanensis, and two temperate species, Lysmata boggessi e Lysmata seticaudata was analyzed in order to assess 1) whether larvae reflect the given diet, 2) if species belonging to the same genus reflect the diet, particularly fatty acids, the same way and 3) what factor should have a greater role in obtaining a diet with the necessary requirements, if the phylogeny or the habitat. The profile of fatty acids was similar in all five species. In a quantitative point of view, the larvae of L. seticaudata had the largest portion of highly unsaturated fatty acids (68%) due to the dominance of 20:5n-3, and the second lowest percentage of polyunsaturated (5%). The larvae of L. boggessi and L. debelius had a predominance of saturated (33% and 38% respectively) and monounsaturated (33% and 30% respectively) in the total fatty acids, with L. boggessi to obtain the highest quantity for all species (4.79 ± 0.04 mg g-1 for saturated and 4.81 ± 0.53 mg g -1 for monosaturated), with predominance of 16:0 (3.34 ± 0,09 mg g-1) and 18:1n-9 (2.78 ± 0.40 mg g-1). For Rhynchocinetes durbanensis the DHA was the most important, with 2.36 mg g-1, the highest amount in all species. In relation to ARA all species showed a larger amount than that provided in the diet, with the majority being obtained for Rhynchocinetes durbanensis. In temperate species was almost always observed larger quantities of fatty acids than in tropical species, and may assess that the newly hatch larvae of temperate species depend more of endogenous energy sources. The tropical species showed similar amounts of fatty acids, which may be due to a metabolism also similar. For temperate species differences in fatty acids are higher, but there is some parallelism in quantities. Thus, to design a possible single diet, the factor habitat seems more important than the phylogenetic proximity.
Descrição: Dissertação de Mestrado, Biologia Marinha, especialização em Pescas e Aquacultura, Faculdade de Ciências do Mar e do Ambiente, Universidade do Algarve, 2009
URI: http://hdl.handle.net/10400.1/658
Designação: Mestrado em Biologia Marinha, Especialização em Pescas e Aquacultura
Aparece nas colecções:UA01-Teses



FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.