Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.1/7133
Título: Contribuição para a reconstrução do paleonível do mar com base nas associações de foraminíferos de mangais e sapais
Autor: Pereira, Laura de Fátima da Cruz
Orientador: Boski, T.
Palavras-chave: Biologia marinha
Holocénio
Foraminíferos
Nível médio do mar
Algarve - Ria Formosa
Data de Defesa: 2014
Resumo: O objetivo do presente trabalho foi contribuir para a reconstrução do nível médio do mar durante o Holocénico, em dois sistemas: estuário do Rio Potengi (Brasil) e Ria Formosa (Portugal). Para cumprir este objetivo, efetuou-se a análise da microfauna fóssil em cinco sondagens no estuário do rio Potengi e cinco sondagens na Ria Formosa, cruzando estes dados com os da análise granulométrica e da datação por radiocarbono. As associações de foraminíferos dominantes no estuário do Potengi foram Ammonia tepida, Elphidium spp. e o grupo dos Miliolídeos e no sistema lagunar da Ria Formosa as espécies estuarinas Ammonia tepida e Haynesina germanica foram codominantes sendo substituídas pelas espécies aglutinadas Jadammina macrescens e Trochammina inflata nas amostras mais recentes. A espécie Haynesina germanica registou maior expressão nas sondagens da Ria Formosa enquanto a espécie exótica Pararotalia cananeiaensis só ocorreu no estuário do Potengi. As formas aglutinadas tiveram pouca expressão no estuário do Potengi, por causa de processos tafonómicos ou devido a caudais de água doce negligenciável. A interpretação paleombiental baseada nas associações de foraminíferos bentónicos e nas datações disponíveis sugerem, para o estuário do Potengi um período de estabilização do nível do mar, isto foi assinalado através da fase estuarina/lagunar, que se manteve ao longo das sondagens. Provavelmente esta fase foi coincidente com a acreção das planícies costeiras adjacentes à embocadura do Rio Potengi e preenchimento sedimentar do interior do estuário. No sistema lagunar da Ria Formosa a interpretação paleoambiental mostra a presença de um ambiente marinho por volta dos 10.000 anos BP, como resultado da subida pós-glacial do nível do mar. Num período mais recente, ocorreu uma mudança ecológica, para um ambiente mais confinado, provavelmente como resultado progressivo da formação da lagoa.
Descrição: Dissertação de mestrado, Biologia Marinha, Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade do Algarve, 2014
URI: http://hdl.handle.net/10400.1/7133
Designação: Mestrado em Biologia Marinha
Aparece nas colecções:UA01-Teses

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Pereira, L. 2014.pdf5,48 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.