Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.1/726
Título: Padrões de distribuição da abundância larvar de crustáceos decápodes na baía de Cascais
Autor: Santinho, Carla Isabel de Almeida
Orientador: Santos, Antonina dos
Castro, Margarida
Palavras-chave: Teses
Crustáceos
Decápodes
Larvas
Variações sazonais
Data de Defesa: 2009
Resumo: A descrição da composição da fauna larvar dos Crustáceos Decápodes na baía de Cascais e a análise dos padrões de abundância larvar foi realizada em relação com os parâmetros ambientais temperatura, salinidade, clorofila a, afloramento costeiro e precipitação, de modo a contribuir para o estudo do recrutamento de invertebrados bentónicos na costa portuguesa. Foram efectuadas amostragens mensais de zooplâncton num ponto fixo localizado na baía de Cascais (38º40' N; 09º26'.20 W) com cerca de 35 m de profundidade, num período que vai desde Fevereiro de 2005 até Junho de 2007. As amostras foram colhidas 1-2 horas antes da Preia-mar utilizando dois tipos de rede, Neuston e WP2. Os decápodes representaram entre 0,007 a 33,1% do zooplâncton amostrado na neuston e entre 0,02 a 9,26% na WP2, tendo sido registados 68 taxa, pertencendo na sua maioria a três grandes grupos: Caridea, Anomura e Brachyura. As espécies mais abundantes foram: Carcinus maenas, Liocarcinus spp., Diogenes pugilator, Pisidia longicornis, Atelecyclus rotundatus, Pilumnus hirtellus, Processa nouveli, Pagurus spp., Thoralus cranchii, Eualus occultus, Philocheras bispinosus e Necora puber. A abundância larvar foi mais elevada na coluna de água do que na camada de neuston, e para algumas espécies surgiu correlacionada com os parâmetros ambientais. As larvas de decápodes estão presentes no plâncton da Baía de Cascais durante todo o ano, ocorrendo os seus máximos de abundância no período de Primavera/Verão. Este padrão de distribuição da abundância larvar dos decápodes segue o ciclo anual de abundância de fito- e microzooplâncton. Os picos de emissão larvar das espécies mais abundantes ocorrem geralmente durante a primavera, sendo o grande pico anual em Março. A mortalidade larvar natural de Carcinus maenas na Baía de Cascais é bastante elevada, entre 45 e 85% nos zoés 1, aumentando para os estádios mais avançados, onde chega a apresentar valores superiores a 80%.
Descrição: Dissertação mest., Biologia marinha, Universidade do Algarve, 2009
URI: http://hdl.handle.net/10400.1/726
Designação: Mestrado em Biologia Marinha. Especialização em Ecologia e Conservação Marinha
Aparece nas colecções:UA01-Teses

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Tese_CarlaSantinho_2009.doc.pdf2,82 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.