Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.1/760
Título: Transporte de crustáceos vivos a bordo em ambiente refrigerado
Autor: Inácio, Mónica Isabel Marreiros
Orientador: Castro, Margarida
Palavras-chave: Teses
Crustáceos
Conservação de crustáceos
Transporte de crustáceos
Data de Defesa: 2008
Resumo: Os crustáceos são um recurso muito importante no Algarve, devido ao seu elevado valor comercial. Este valor aumenta quando são comercializados vivos. Este estudo focou-se num método de transporte e acondicionamento a bordo, desde a captura à chegada ao porto, baseado na criação de um ambiente com temperatura e humidade estáveis e refrigerado com gelo, em particular na avaliação da sua eficácia para a manutenção da qualidade e sobrevivência de crustáceos comercializados vivos. Foram estudadas duas espécies, a lagosta, Palinurus elephas e o lagostim, Nephrops norvegicus, com dois sistemas de pesca, a pesca artesanal (ambas as espécies) e a pesca de arrasto de crustáceos (para o lagostim). Em ambos os casos o trabalho de campo foi feito a bordo de embarcações comerciais e ao longo de operações de pesca de rotina para as respectivas embarcações. O trabalho realizado com a frota artesanal desenvolveu-se na costa Sudoeste a partir de uma embarcação baseada em Sagres e o trabalho com o arrastão desenvolveu-se na costa Sul, a bordo de uma embarcação baseada em Portimão. No caso da pesca artesanal, os crustáceos já são normalmente desembarcados vivos e são mantidos a bordo em caixas com água bombeada da superfície, um sistema que designaremos por método tradicional. Neste caso o sistema testado neste trabalho foi comparado com o tradicional, dividindo a captura de cada lanço de pesca em dois grupos que foram comparados quando da chegada ao porto. No caso da frota de arrasto, o desembarque é feito com os crustáceos já mortos pois são conservados num porão de refrigeração mas com ambiente muito seco. Nesta embarcação a avaliação da condição e sobrevivência com o sistema proposto foi feita em intervalos de 12 horas até às 72 horas, tempo máximo em que os crustáceos são mantidos a bordo entre desembarques. A condição e a sobrevivência foram avaliadas com 3 critérios diferentes: (1) parâmetros bioquímicos, através das concentrações de glucose e lactato da hemolinfa, (2) estado de viveza, através de uma escala de condição com 3 estados relacionados com as reacções ao manuseamento e (3) estado de condição, através de uma escala também com 3 estados relacionada com os danos (perdas de apêndices e danos na carapaça) Os resultados demonstraram que a utilização do sistema proposto é vantajosa para a pesca polivalente quando a temperatura da água à superfície é mais elevada. No caso da pesca de arrasto, os resultados foram positivos até um período máximo de 24 horas, após o qual a proporção de lagostins inactivos aumenta, não sendo garantido o valor comercial elevado associado à venda em vivo.
Descrição: Dissertação mest., Biologia Marinha, Universidade do Algarve, 2008
URI: http://hdl.handle.net/10400.1/760
Designação: Mestrado em Biologia Marinha. Especialização em Aquacultura e Pescas
Aparece nas colecções:UA01-Teses

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Tese Mónica.pdf5,14 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.