Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.1/570
Título: Ensaios para redução de bromato por adsorção com carvão activado em pó
Autor: Assunção, Ana Filipa Benedito
Orientador: Lucas, Helena
Sancho, Rui
Barros, Raúl José Jorge de
Palavras-chave: Teses
Engenharia biológica
Água
Tratamento da água
Algarve
Data de Defesa: 2008
Resumo: Nos dias que decorrem o conceito “água potável” tem-se revelado da maior importância para a humanidade, pelo que a exigência da sua qualidade e distribuição, por todo o planeta, tem sido cada vez maior. No processo de tratamento da água para consumo humano uma etapa importante (oxida matéria orgânica, metais, algas e bactérias) e crítica (forma sub-produtos indesejáveis) é a pré-oxidação. No caso de se utilizar como agente oxidante o ozono e da água a tratar conter o ião brometo de origem natural, forma-se, o bromato, que tem sido considerado potencialmente cancerígeno para o ser humano, pelo que, o valor paramétrico (VP) actualmente imposto por lei, de 25μg/L, será alterado a partir de 25 de Dezembro de 2008, para o VP de 10μg/L, de forma a garantir maior segurança da saúde pública. Este trabalho, realizado na Águas do Algarve, S.A., nomeadamente na Estação de Tratamento de Água (ETA) de Alcantarilha, que tem como água bruta a tratar a mistura de duas origens de água, superficial e subterrânea e, teve o objectivo de ensaiar laboratorialmente diferentes condições operacionais com diferentes tipos de carvão activado em pó (CAP) e identificar, se possível, aquele que obtém melhores resultados na remoção de bromato, para posterior aplicação à escala real, nos processos de tratamento de água para consumo humano. Os ensaios realizaram-se em “jar-test”, simulando as condições existentes na ETA, para o caudal máximo e mínimo numa linha de tratamento, testando-se 3 tipos de CAP e um branco (sem CAP), para 3 concentrações de bromato. Os resultados revelaram que era possível com qualquer um dos 3 carvões estudados remover o ião bromato, mas apenas para concentrações iguais ou superiores a 60μg/L, concluindo-se que o uso destes carvões não seria a melhor opção para remover/reduzir quantidades relativamente baixas (≤15μg/L), como acontece no caso estudado. Perante tais resultados sugere-se que sejam testadas duas possibilidades para remover/reduzir o ião bromato da água tratada na ETA de Alcantarilha, nomeadamente a separação das origens de água, seguindo processos de tratamento distintos ou a realização de ensaios com carvão activado granular (CAG) ou com filtros de biológicos de carvão activado (BAC) para averiguar a possibilidade da sua aplicação na ETA de Alcantarilha
Descrição: Dissertação de mest., Engenharia Biológica, Faculdade de Engenharia de Recursos Naturais, Universidade do Algarve, 2008
URI: http://hdl.handle.net/10400.1/570
Designação: Mestrado Integrado de Engenharia Biológica
Aparece nas colecções:UA01-Teses

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Tese_Remocao_de_Bromato_com_CAP[1].pdf843,2 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.