Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.1/6742
Título: Motivação para realizar voluntariado: estudos segundo as abordagens funcionalista e da autodeterminação
Autor: Martins, Cátia Sofia
Orientador: Jesus, Saul
Palavras-chave: Psicologia
Voluntariado
Motivação
Satisfação
Permanência
Carreiras
Satisfação com a vida
Data de Defesa: 2013
Resumo: O voluntariado define-se enquanto comportamento não obrigatório, sujeito a uma planificação, mantido ao longo do tempo, sem expectativa de recompensa monetária, e que ocorre num contexto organizacional. Embora considerado como uma forma de ajuda a outros, reveste-se de características distintas de outros conceitos relacionados como o comportamento de ajuda, o altruísmo e a cooperação. Várias são as teorias que se têm dedicado ao estudo deste fenómeno, sendo que no presente trabalho abordamos dois modelos distintos: a teoria funcionalista de motivação para o voluntariado e a teoria da autodeterminação. A primeira refere que os indivíduos envolvem-se em determinadas atividades de forma propositada, para cumprir objetivos, e que a sua realização serve diferentes funções psicológicas (Clary et al., 1998). A Teoria da Autodeterminação (Deci & Ryan, 1985b, 2000) defende que todos os indivíduos têm tendências inatas, naturais e construtivas para desenvolverem o seu self num sentido unificado e mais elaborado. As investigações com recurso a esta abordagem têm relacionado o voluntariado com a orientação para a autonomia (dos indivíduos e proporcionada pelo contexto), a satisfação das necessidades psicológicas básicas e o estilo regulatório. Com esta base teórica desenvolvemos cinco estudos que pretenderam, por um lado, adaptar quatro escalas (i.e., VFI, VSI, VMS, e WCQ) que incidiam sobre diferentes constructos relacionados com a motivação para o voluntariado, e por outro caracterizar e analisar as dimensões preditoras da intenção de permanência no voluntariado e da satisfação com a vida (e.g., satisfação com o voluntariado, envolvimento e compromisso organizacional e adaptabilidade de carreira). Os resultados evidenciaram que as funções motivacionais, as regulações identificada e intrínseca, e o compromisso organizacional eram os melhores preditores da intenção de permanência, bem como o envolvimento psicológico, o voluntariado e a adaptabilidade eram preditores da satisfação com a vida. Os estudos apresentam implicações práticas, potencialidades e limitações no estudo da motivação para o voluntariado.
URI: http://hdl.handle.net/10400.1/6742
Designação: Doutoramento em Psicologia
Aparece nas colecções:FCH1-Teses
UA01-Teses

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
CsMartins2013_Motivação&Voluntariado.pdf3,25 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.