Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.1/6860
Registo completo
Campo DCValorIdioma
dc.contributor.advisorRamalhinho, Isabel-
dc.contributor.advisorCabrita, José-
dc.contributor.authorOliveira, Ana Francisca Milheiro Santos Ribeiro-
dc.date.accessioned2015-10-06T14:34:00Z-
dc.date.available2015-10-06T14:34:00Z-
dc.date.issued2013-
dc.date.submitted2013-
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/10400.1/6860-
dc.descriptionDissertação de mestrado, Ciências Farmacêuticas, Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade do Algarve, 2013-
dc.description.abstractA depressão classifica-se como sendo uma perturbação afectiva e é considerada um dos maiores problemas de saúde pública no mundo. Afecta 121 milhões de pessoas e está em quarto lugar no ranking das principais causas de doença em todo o mundo. De etiologia complexa e multifactorial, a depressão provoca uma grande variedade de sintomas, muitos de natureza subjectiva, que diferem de indivíduo para indivíduo e que são facilmente atribuíveis a outras causas. Talvez por isso, apesar da sua alta prevalência, a depressão é frequentemente subdiagnosticada e subtratada. A depressão pode atingir indivíduos de qualquer grupo etário mas os idosos são considerados um grupo de risco pois para além de já terem acumulado várias perdas ao longo da vida, sofrem frequentemente de depressões atípicas e de outras patologias o que dificulta o diagnóstico. Para além disso, os idosos são mais sensíveis a interações farmacológicas e aos efeitos adversos dos antidepressivos, o que pode dificultar a terapêutica. Em Portugal tem havido um interesse crescente nesta temática devido à alta prevalência da depressão e ao envelhecimento da população. Com esta investigação pretende-se caraterizar a população idosa utente dos centros de dia do concelho de Albufeira, estudar a influência de alguns fatores de risco para o desenvolvimento de depressão e analisar a sua terapêutica antidepressiva. Para isso realizou-se um estudo observacional, descritivo e com um desenho transversal. Verificou-se suspeita de depressão em 66,7% dos inquiridos. Contudo 64,7% dos inquiridos que não tomavam antidepressivos apresentaram suspeita de depressão, o que indica que vários destes indivíduos podem estar subtratados. Verificou-se ainda que parece haver relação entre sintomatologia depressiva e o número de doenças crónicas, auto-perceção da saúde e da visão.pt_PT
dc.language.isoporpt_PT
dc.rightsopenAccesspt_PT
dc.subjectCiências farmacêuticaspt_PT
dc.subjectDepressãopt_PT
dc.subjectAntidepressivospt_PT
dc.subjectGeriatriapt_PT
dc.subjectIdosospt_PT
dc.subjectCentros de diapt_PT
dc.subjectAlgarve - Albufeirapt_PT
dc.titleDepressão em idosos que frequentam centros de diapt_PT
dc.typemasterThesispt_PT
thesis.degree.nameMestrado em Ciências Farmacêuticaspt_PT
dc.identifier.tid201729210-
dc.subject.fosDomínio/Área Científica::Ciências Médicas::Ciências da Saúdept_PT
Aparece nas colecções:FCT1-Teses
UA01-Teses

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
tese_final.pdf729,25 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.