Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.1/7146
Título: Porque é que foi “portuguesa” a expansão portuguesa? Ou o revisionismo nos trópicos
Autor: Hespanha, António Manuel
Data: 2006
Editora: Universidade do Algarve, FCHS
Resumo: Depois das grandes sínteses interpretativas dos anos 40, 50 e 60, é preciso, de facto, voltar a ver as coisas em ponto grande, integrando as contínuas contribuições sectoriais que as historiografias de vários países têm vindo a trazer nos últimos anos sobre o colonialismo português. Na verdade, a consciência cada vez mais forte de que os processos históricos em curso no vasto mundo dominado por Portugal durante os séculos XVI a XVIII apresentaram perfis inevitavelmente muito diferentes entre si não constitui uma resposta adequada à questão da definição estrutural do processo histórico da “expansão portuguesa”. Pelo contrário, estes resultados dispersos e contraditórios – frequentemente conduzidos segundo os padrões típicos da micro-história – põem, ainda com mais ênfase, a questão de evitar o mapa 1:1 e de esboçar, com as cautelas devidas, alguma generalização2 de saber porque é que foi “portuguesa” a expansão portuguesa; ou seja, a questão da sua unidade como objecto historiográfico.
Peer review: no
URI: http://hdl.handle.net/10400.1/7146
ISSN: 1645-8052
Aparece nas colecções:PMT-N04

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
PROM04_pp319-352.pdf210,93 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.